Projeto 1.1. Organização do espaço urbano-metropolitano e construção de parâmetros de análise das dinâmicas de metropolização

Qualquer estratégia de desenvolvimento nacional está fortemente condicionada à capacidade da sociedade brasileira de enfrentar os desafios metropolitanos do crescimento, dado que as metrópoles continuam oferecendo vantagens aos circuitos dinâmicos da economia. No Brasil, pesquisas confirmam que as metrópoles de São Paulo e do Rio de Janeiro respondem por extremada concentração do poder econômico e político; porém, inúmeras outras metrópoles e aglomerações urbanas reproduzem regionalmente esse efeito concentrador (OBSERVATÓRIO, 2005).

É necessário, portanto, conhecer as lógicas, mecanismos, redes e agentes sociais que atuam na produção do espaço metropolitano e seus nexos com o território nacional e com circuitos internacionais de produção e consumo. Tal conhecimento é fundamental à formulação de políticas territoriais que impulsionem a economia e gerem efeitos virtuosos na recomposição do tecido social, fragilizado pela insegurança das condições de moradia, mobilidade, ambiente e trabalho, e pela violência crescente nas cidades.

Nesse sentido, a proposição deste projeto é oferecer elementos à compreensão das dinâmicas de constituição dos espaços metropolitanos e de seu poder de articulação e polarização do território nacional, assim como identificar os novos arranjos espaciais decorrentes do processo de metropolização – o que é imprescindível para a construção de estratégias adequadas de desenvolvimento urbano e regional que assegurem o efetivo direito à cidade.

Objetivo:

Analisar o processo de metropolização brasileiro e as configurações espaciais resultantes, com ênfase na estrutura interna e nos processos de expansão das aglomerações de natureza metropolitana.

Metas:

(i) Organizar uma base de dados sobre a urbanização no Brasil (distribuição, crescimento e mobilidade da população, ocupação setorial, densidade urbana, classificação na hierarquia de centros da rede urbana, entre outros);
(ii) Analisar as transformações recentes na organização do espaço urbano-metropolitano (enfoque intermetropolitano);

(iii) Analisar os movimentos da população para trabalho e estudo em municípios diferentes do de residência (movimentos pendulares), o perfil social das pessoas que se deslocam, e as implicações dessa mobilidade na dinâmica de expansão das aglomerações de natureza metropolitana e nas conexões entre essas e dessas para com outras aglomerações urbanas (enfoques intra e intermetropolitanos);

(iv) Identificar padrões de transformação na estrutura intrametropolitana (enfoque na natureza da aglomeração urbana e nos níveis de integração dos municípios à sua dinâmica);
(v) Identificar novas formas de arranjos espaciais, de natureza urbano-regional, discutindo e considerando tendências expressas nos conceitos de “cidade dispersa”, “cidade difusa”, “cidade compacta”, “cidade-região”, “megarregião”, “magalópolis”, entre outros;

(vi) Acompanhar o processo de institucionalização de unidades regionais (regiões metropolitanas, aglomerações urbanas e regiões integradas de desenvolvimento).
(vii) Atualizar a classificação dos níveis de integração dos municípios à dinâmica das aglomerações urbano-metropolitanas, tendo em consideração o território das unidades institucionalizadas.

Coordenadores e responsabilidades:

Olga Firkowski. Doutora em Geografia, Pesquisadora 1D CNPQ, Departamento de Geografia da Universidade Federal do Paraná. Atribuições: atualização da literatura acerca das dinâmicas urbano-regionais, acompanhamento das discussões sobre regiões metropolitanas no Brasil e orientação de teses e dissertações sobre o tema.

Rosa Moura. Doutora em Geografia, Pesquisadora do Subprograma de Pesquisa para o Desenvolvimento Nacional (PNPD) do Programa de Mobilização da Competência Nacional para Estudos sobre o Desenvolvimento (PROMOB), do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Responsável pela organização da base de dados e pela realização de análises sobre arranjos espaciais, com ênfase nos de natureza urbano-regional.