Lugares do ir

O Número 34 da revista e-metropolis apresenta o ensaio fotográfico Lugares do ir, de Pedro Thame Guimarães.

O ensaio explora a influência que o modo como nos deslocamos exerce sobre a percepção da paisagem da cidade e na criação de possíveis lugares com base nessas variabilidades.

Escolheu-se o percurso que liga o campus da UFMT, a porção sul da cidade de Cuiabá – que começou a ser estruturada a partir do final dos anos de 1970, baseada em fundamentos urbanísticos modernistas –, ao Centro Antigo – núcleo urbano original com características coloniais. Um percurso com 3,5 quilômetros, percorrido de três maneiras diferentes: de carro, de ônibus e a pé. As experiências foram realizadas em dias diferentes da semana, no mesmo intervalo de horário, possuindo durações diversas.

Em primeiro momento, a variação dos meios de transporte pode ser entendida como um gradiente de velocidade e da duração do trajeto, ou seja, a variação do tempo que possuímos para apreender e vivenciar a paisagem. A quantidade de tempo que dispomos está diretamente relacionada à qualidade da nossa apreensão da paisagem: a redução ou aumento desse tempo altera a capacidade de identificação dos diferentes arranjos, dos diferentes setores, possuidores de maior ou menor legibilidade. Essa característica aplica-se aos elementos de maneira isolada e igualmente à sua síntese, o conjunto da paisagem. No entanto, não é somente a velocidade que impacta substancialmente no processo de apreensão; surgem outros fatores de igual importância: as restrições parciais aos sentidos próprias de cada modal (como obstáculo à visão, ruído excessivo), os diferentes contatos interpessoais e, sobretudo, o lugar de cada modo de ir.

Veja o ensaio fotográfico AQUI.

Leia a edição 34 da revista e-metropolis AQUI.

 

Tags: , ,

 

Mais Posts em Revistas Científicas