Estrutura social das metrópoles brasileiras

Este projeto buscará aprofundar a análise das categorias sócio-ocupacionais nas metrópoles brasileiras em duas perspectivas: (i) uma análise de seu comportamento na década atual e (ii) uma análise de seu comportamento no médio/longo prazo, a partir dos anos 1980. Além disso, buscará aprofundar a discussão em torno da pobreza e pobreza urbana decorrente da crise econômica e social porque passa o Brasil e retomada da discussão sobre a nova classe média nesse momento de crise.

Objetivos:

Compreender o sentido das mudanças na estrutura social brasileira, a partir da análise da estrutura de classe e da pobreza, tendo em vista a passagem de uma sociedade urbano-industrial para uma sociedade de serviços, em especial nesse momento de crise econômica e social experimentada na atual década.

Objetivos específicos:

  1. Análise da estrutura de classe na atual década das metrópoles do país, a partir do comportamento das categorias sócio-ocupacionais, tendo em vista o processo de inflexão ultraliberal colocado em curso no país a partir de 2015, em especial;
  2. Análise da estrutura de classe das principais metrópoles do país, tendo em vista a passagem de uma sociedade urbana-industrial para uma sociedade urbana de serviços, numa perspectiva de médio/longo prazo;
  3. Aprofundamento da discussão de pobreza e, em especial, de pobreza urbana nas metrópoles brasileiras, sobretudo a partir do contexto de crise econômica e social, tendo em vista o processo de inflexão ultraliberal ocorrido nos últimos anos;
  4. Retomada da discussão sobre o surgimento de uma nova classe média, tendo em vista a mudança de conjuntura econômica e social no país nos últimos anos.

Metodologia:

  1. Para alcançar o primeiro objetivo específico, a análise será baseada na utilização da PNAD Contínua, com foco no período de 2012 a 2017, que são os anos em que essas bases de dados estão disponíveis. Essa análise está sendo feita por vários núcleos do Observatório das Metrópoles, com dados já disponibilizados para todos eles.
  2. Para o alcance do segundo objetivo específico, será feita análise a partir dos dados dos censos demográficos de 1980, 1991, 2000 e 2010 e da PNAD Contínua de 2018 (quando for divulgado seus resultados), aprofundando algumas categorias sócio-ocupacionais estratégicas (empregadores, profissionais de nível superior, trabalhadores do terciário; operários da construção civil; operários da indústria; trabalhadores domésticos etc.).
  3. Será aprofundada teoricamente a discussão sobre pobreza, relacionando essa discussão com a situação de vulnerabilidade social, exclusão etc., de modo a construir um arcabouço teórico que nos permita realizar a análise dessa situação de pobreza nas metrópoles brasileiras nos últimos anos, tendo em vista seu aumento, para podermos elucidar a partir dessa discussão outros aspectos da estrutura social. Para tanto, serão organizados os dados para serem analisados pelos núcleos do Observatório das Metrópoles a partir do segundo semestre de 2019, tendo em vista a definição de pobreza que será realizada a partir do aprofundamento teórico. Deveremos trabalhar com a PNAD Contínua, o que implica em utilizar dados a partir de 2012 até os dias atuais.
  4. Até agora já foi elaborado um relatório que realizou a revisão bibliográfica sobre o tema da nova classe média no Brasil e também em outras situações no mundo. A partir dessa revisão bibliográfica, vamos realizar análise para verificar empiricamente se no contexto de crise econômica e social ainda se sustenta essa perspectiva adotada no debate público brasileiro. Todavia, decidimos que sobre esse tema não iremos mobilizar a rede do Observatório das Metrópoles, tendo em vista que o tema da pobreza terá maior capacidade de mobilização no atual contexto histórico.

Todo o trabalho de articulação dos núcleos do Observatório das Metrópoles se dá por meio de um grupo de e-mails criado com essa finalidade. Esse recurso tem sido utilizado para envio das bases de dados, envio do roteiro de análise dos relatórios, recebimento dos relatórios, esclarecimentos sobre os procedimentos, conceitos e definições em geral.

Coordenadores e responsabilidades:

Marcelo Gomes Ribeiro

André Salatta